Secretário de Meio ambiente diz que o objetivo de reorganizar a estrutura administrativa não é economizar

O Secretário Municipal de Meio Ambiente André Ferraro que também acumula o cargo de chefe de gabinete da prefeitura de Madre de Deus afirmou durante uma entrevista à rádio Baiana FM que o projeto de lei aprovado pela Câmara não tem o objeto de reduzir as despesas na administração.

“O espírito da reorganização não foi economizar, isso é importante, foi não aumentar, que inclusive, a gente não pode aumentar”, disse

Ao todo, o município vai contar com 23 cargos de primeiro escalão. A lei também aumenta o número de assessoria especial que sobe para 8.

A função tem um vencimento mensal de quase R$ 7,5 mil vai custar ao governo R$ 59.930,96. De acordo com a PL, os 22 colaboradores do Gabinete do Prefeito Dailton Filho (PSB) que passa a ter uma estrutura financeira de pessoal maior que todas as secretárias com um total de gastos de R$ 126.854,22. O montante é superior aos gastos da folha de pessoal da Secretaria Municipal de Saúde que tem mais que o dobro de colaboradores e conta 49 funcionários.

Ele criticou a gestão anterior, mas não mencionou as criticas que estão sendo feitas a administração municipal.

André Ferraro lembrou uma música que ironizava quero morar na propagada do governo.

“Eu queria morar na propaganda da cidade que existia só na cabeça das pessoas”, disse acrescentando que era fruto da exclusão feita em cima de uma aliança política entre Executivo e parte do Legislativo.

Ele disse que o povo passava dificuldades enquanto pessoas da gestão tomavam uísque. O secretário também criticou a oposição apontado algumas declarações sobre o projeto de lei como “Fake News”.

O Secretário Municipal de Meio Ambiente sugere que talvez a oposição estivesse querendo fazer algum tipo de pressão achando que o governo precisava dos votos deles.

Publicidade

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*