Em menos de um mês, Dailton veta o próprio projeto que alterava estrutura administrativa na prefeitura de Madre de Deus

O prefeito Dailton Filho (PSB) vetou integralmente o próprio projeto de lei nesta quinta-feira (13) que criava três secretarias e reduzia mais de 100 cargos comissionados do município.

Ao todo, o município iria contar com 23 cargos de primeiro escalão. A lei também aumentava o número de assessoria especial para 8.

A função tem um vencimento mensal de quase R$ 7,5 mil e iria custar ao governo R$ 59.930,96. De acordo com a PL que foi vetada, o Gabinete do Prefeito Dailton Filho (PSB) teria uma estrutura financeira de pessoal maior que todas as secretarias, com um total de gastos de R$ 126.854,22. O montante seria superior aos gastos da folha de pessoal da Secretaria Municipal de Saúde que tem mais que o dobro de colaboradores e conta 49 funcionários.

Quando chegou na Câmara, o projeto foi aprovado com emendas supressivas que foram usadas como justificativas para o veto do prefeito. (relembre aqui)

De acordo com Dailton embora se reconheça a boa intenção do legislador, o PL nº 003/2021, encaminhado para a sanção com a redação final oriunda das emendas legislativas já explicitadas, não atende ao interesse público ao deixar de regulamentar itens essenciais.

O chefe do Executivo argumentou ainda inconstitucionalidade ao prever a readequação administrativa sem que fosse colocada em vigor o Anexo contendo o novo quadro da estrutura administrativa.

Dailton enfatiza ainda a supressão total dos artigos 29 e 30 que foram considerados pelo governo como de extrema importância para as mudanças na estrutura administrativa.

Publicidade

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*