Marden diz que se concurso público não for aprovado quem responde é Jailton

Marden crítica Cajado e diretor da Rádio.

A sessão na Câmara de Madre de Deus que foi aberta nesta terça-feira (18) com apenas 5 parlamentares foi marcada por críticas do presidente da Casa, Marden Lessa (PC do B), ao Diretor da rádio Madre FM, Sérgio Aguiar e ao candidato do prefeito Jeferson Andrade , Cláudio  Cajado (PP) . O comunista rebateu as indiretas que Sergio fez no programa “Língua Solta” que foi ao ar na segunda (17) na Madre FM.

Aguiar questionou o vereador Marden Lessa que havia dito anteriormente que tem família, mas chamou os médicos de assassinos.   

“Aí eu pergunto, se a família desses três profissionais, sabem ou ouvem, que foram chamados seus entes queridos de assassinos?”, disse Sergio que ainda leu uma publicação do prefeito no Instagram, que segundo o próprio vereador foi direcionada a ele.  

Ele também alfinetou a advogada da câmara, Janete Kotula após circular mensagem de áudio contra o prefeito.  

Antes de rebater as declarações, Marden disse que iria “salvaguardar os profissionais de respeito que trabalham no veiculo de comunicação” que não tem nada haver com o posicionamento de Sérgio Aguiar.
Em tom de ironia, o vereador pediu que Sérgio o ajudasse a fiscalizar o poder Executivo que definiu como parte do papel da imprensa. 
Segundo ele, é estranho quando um determinado veículo de comunicação ataca a administração depois para. Ele aponta ainda que a resposta está no site da transparecia municipal em referencia aos contratos celebrados entre a prefeitura e a rádio Madre FM, que em outra ocasião, quase foi alvo de uma CPI no poder Legislativo por conta dos contratos que ultrapassavam a soma de R$ 200 mil.

Para ele, o diretor da Madre FM só fala da Câmara porque não tem contrato, e revela que Sérgio não fala da prefeitura por causa do contrato com o poder Executivo.  

“Quando o senhor para de bater nos programas que o senhor comanda é porque tem alguma fatura atrasada”, disse.
Na manhã desta quarta-feira (19) Sérgio voltou a usar o programa na emissora para comentar as declarações do presidente do poder Legislativo, dessa vez, de forma mais ponderada, ele se compara a um sábio ao afirmar que “os sábios param para escutar mais”.

Bem diferente do posicionamento que causou polêmica na segunda-feira, Sérgio ressaltou seu  “equilíbrio e tranquilidade” e disse  que o parlamentar não “merece nenhuma resposta”.
Em seguida, o diretor da emissora na tentativa de alfinetar o presidente de forma ponderada,  volta a repetir que é uma pessoa “equilibrada” e “não vai entrar neste jogo” que segundo ele, “não vale a pena”. 

O responsável pela rádio comunitária destacou seu trabalho como apresentador, que começou há cerca de três meses, logo depois, foi evasivo ao afirmar que “iria continuar com o trabalho para mostrar a comunidade que o espaço está aberto para todos”.

O apresentador estendeu o convite a Marden e acusou os vereadores do PRB e do PPS  de “boicotar” o concurso público da Câmara. Depois disso, afirmou que não está na rádio para “fazer intrigas”.

Após receber duras críticas do vereador, o apresentador não voltou a tecer comentário sobre o áudio da advogada da Câmara, Janete Kotula, que foi o pivô da polêmica.

Pau que dá em Chico quebra “cajado”

O presidente do poder Legislativo disse que o candidato apoiado pelo prefeito Jeferson, sem citar nome, realmente não votou contra ao trabalhador. Segundo ele, fez pior: não apareceu para votação.

Ele disse que assistiu à sessão, e pediu para que deixem que ele faça a campanha em paz. De acordo com Marden, as pessoas acham que ainda estamos vivendo na época de coronéis que mandam. 

Marden disse que quem fala por trás é sinal de respeito em referencia à mensagem do prefeito sobre a “carroça vazia” que foi direcionada a ele.
“Minha carroça pra ele pode tá vazia, mas pro povo não”, disse.
Marden disse que secretário de saúde mentiu na frente de cinco vereadores. 
Segundo ele, os vereadores obstruíram a pauta para não aprovar o concurso público na Câmara.

De acordo com Marden, o projeto do concurso público é um “TAC” do ex-presidente e atual vice-prefeito, Jailton Polícia.
Ele alerta que se não for cumprido quem vai responder é Jailton.
“Eu estou fazendo a minha parte população de Madre de Deus, vocês é que vão Julgar”, disse.

Publicidade

3 Comentário

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*