STF define critérios para diferenciação entre usuários e traficantes de maconha

O Supremo Tribunal Federal (STF) definiu nesta quarta-feira (26) que portar até 40g de maconha ou cultivar até seis plantas fêmeas da cannabis sativa para uso pessoal não configura crime, estabelecendo um marco na jurisprudência brasileira sobre o tema. A decisão, por maioria, resultou na aprovação de uma tese que preserva o usuário de drogas de punições penais, embora mantenha a conduta como ilícito administrativo.

O presidente do STF, ministro Luís Roberto Barroso, explicou que o limite de 40g é relativo, permitindo às autoridades, em caso de indícios de tráfico, processar criminalmente mesmo aqueles que portem quantidades inferiores ao estabelecido. Essa determinação é temporária, aguardando eventual regulamentação pelo Congresso Nacional.

A decisão também prevê que o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) promova mutirões carcerários para revisar e corrigir casos de prisões de usuários de maconha, refletindo um esforço para ajustar a aplicação da lei à nova orientação jurídica.

Embora o porte para uso pessoal não acarrete antecedentes criminais, os infratores serão sujeitos a medidas socioeducativas, como cursos sobre os efeitos das drogas, visando à conscientização e prevenção ao consumo. O julgamento reitera que a prática não foi legalizada, mantendo-se ilícita, porém não penal.

Siga o Madre sem Média  no Insta, Facebook e Twitter. Quer mandar uma denúncia ou sugestão de pauta, mande WhatsApp para (71) 98750 – 7370. Nos insira nos seus grupos!

Sobre madresemmedia 2507 Artigos
A MADRE SEM MÉDIA é um site de notícias da internet que oferece conteúdo online para todo o estado da Bahia, com foco para os municípios de Madre de Deus (sede). São Francisco do Conde, Candeias, São Sebastião do Passé, Santo Amaro, Simões Filho.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*