Secretário defende legalização da maconha para ‘quebrar’ tráfico

Em entrevista ao site UOL, Maurício Barbosa (secretário de segurança da Bahia) também afirmou ser a favor do porte de armas no Brasil, porém "com critérios"

Foto: Amanda Oliveira/GOVBA

O secretário de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA), Maurício Teles Barbosa, afirmou ser favorável à legalização da maconha no Brasil como forma de “quebrar” o faturamento das quadrilhas.

Em entrevista ao site UOL, o titular da pasta afirmou que a questão do tráfico de drogas deve ser encarada como uma atividade econômica. “Se eu tiro 80% do faturamento da maconha de uma quadrilha, estou deixando de fortalecer a quadrilha em 80%”, avaliou.

Apesar da posição, o secretário reforçou não ser a favor da droga. “É importante que se diga isso. Eu, Maurício Barbosa, não sou a favor. Mas eu também não sou a favor de que as pessoas continuem morrendo. Policiais continuem morrendo. Os usuários, os dependentes químicos continuem morrendo e não se chegue a uma resolução de absolutamente nada”, pontuou.

Barbosa também foi questionado sobre a sua posição a respeito do porte de armas no país. Ele afirmou ser a favor, porém “com critérios”. “Sou a favor da liberação do porte de armamento com critérios. É outra utopia. Não sem quem imagina que o estado brasileiro é onipresente na vida das pessoas. Tirar das pessoas o direito básico de defesa. O Estado não é presente e nunca foi. Não é dar arma a todo mundo de forma indiscriminada”, disse.

“Não gosto disso ser tratado com tabu no Brasil. Não aceito isso. Vamos trazer para a legalidade. Se o marginal soubesse que pessoas de bem poderiam estar armadas dentro de suas casas para se autodefender, pensaria duas ou três vezes antes de entrar na sua, na minha ou na casa dos outros às 3h da manhã”, completou.

“Siga o Madre sem Média, curta nossa fanpage no Facebook, e fique atualizado com as principais notícias. Quer anunciar sua empresa? Fale conosco: 71 9 8750 7370“.

Publicidade

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*